Segunda, 16 de Maio de 2022
25°

Muitas nuvens

Santarém - PA

Polícia Policial

Caçadores encontrados mortos: indígenas sofrem ataque em redes sociais, diz nota da FEPIPA

Federação afirma que os povos estão sofrendo intensos ataques e vêm sendo alvo de discurso de ódio; leia a nota.

02/05/2022 às 16h49 Atualizada em 02/05/2022 às 17h24
Por: Inácio dos Santos Fonte: O Liberal
Compartilhe:
(Assessoria de Comunicação / Polícia Federal).
(Assessoria de Comunicação / Polícia Federal).

 

Moradores de Novo Repartimento e indígenas da reserva Parakanã vivem clima tenso entre si após a localização dos corpos de três caçadores que foram mortos dentro da terra indígena (TI). Eles foram localizados no sábado (30), após dias desaparecidos. Desde então, familiares e amigos das vítimas vêm responsabilizando os povos da TI pelas mortes de Cosmo Ribeiro de Sousa, José Luís da Silva Teixeira e Wilian Santos Câmara. A segurança foi reforçada na região para evitar eventuais conflitos. O caso está sendo investigado pela Polícia Federal.

Em relação à situação, a Federação dos Povos Indígenas do Pará (Fepipa), em nota, manifestou "solidariedade e condolências" às famílias das três vítimas assassinadas. "Acompanhamos e lamentamos a brutalidade deste fato. Em meio à dor das famílias que perderam seus entes queridos, afirmamos nossa crença no direito à vida e na resolução de conflitos de forma justa e igualitária". destaca a entidade, em relação à hostilidade que vem sendo notada às comunidades.

 

"Também manifestamos repúdio aos intensos ataques aos povos indígenas, que estão sendo alvos de discurso de ódio nas redes sociais e em Novo Repartimento - por conta dos corpos terem sido encontrados dentro da Terra Indígena Parakanã. A Fepipa reitera que as investigações ainda estão em curso e repudia comportamentos que incitem a violência contra o povo Awaeté Parakanã, que vive na região", diz a federação, em nota.

 

A TI Parakanã, explica a Fepipa, tem 352 mil hectares e abrange 60% do município de Novo Repartimento e 40% de Itupiranga, e teve homologação em 30 de outubro de 1991. "A luta por terra é uma das bandeiras prioritárias do movimento indígena, já que os violentos conflitos desde o período colonial dizimaram milhares de indivíduos que já habitavam em nosso país; e esta questão perdura até hoje", prossegue a entidade.

 

"De acordo com o Atlas da Violência 2021, mais de 2 mil indígenas foram assassinados entre 2009 e 2019 no Brasil, representando uma taxa 21,6% maior em dez anos em comparação a taxa de homicídios em geral, que apresentou queda. Sabe-se que conflitos no campo são recorrentes em nosso estado, fruto da expansão de atividades pecuárias, desmatamento e garimpo ilegal, por exemplo, e da falta de fiscalização e rigor das leis ambientais", conclui a Fepipa.

Receba as notícias do RB1 em primeira mão pelo WhatsApp Clique aqui.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.