Quarta, 22 de Setembro de 2021
32°

Poucas nuvens

Santarém - PA

Geral privatização Celpa

Reajustes no preço da energia no PA estão bem acima da inflação, desde a privatização da Celpa em 1998

Aumentos acumulados em 23 anos chegam a 721%, quando a inflação ficou em 307%, aponta Dieese. Concessionária, atualmente chamada Equatorial Energia, teve novo reajuste aprovado pela Aneel.

09/08/2021 às 14h16
Por: RB1Notícias Fonte: G1 Santarém
Compartilhe:
Divulgação
Divulgação

Os reajustes no preço da energia elétrica no Pará estão bem acima da inflação e dos reajustes salariais, exceto o salário mínimo, desde a privatização da concessionária Centrais Elétricas do Pará (Celpa), atualmente Equatorial Energia.

Segundo estudo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), desde julho de 1998 até então a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), gira em torno de 307%. Já a alta no preço na energia chega a cerca de 721% em 23 anos.

O aumento da energia no Pará mais recente entrou em vigor no sábado (7), após aprovação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O aumento vale para cerca de 2,77 milhões de unidades consumidoras em 144 municípios do estado. O reajuste médio fica em 9,01% distribuído da seguinte forma:

aumento de 8,02 para consumidores residenciais (B1);

8,62% para consudimores cativos (baixa tensão);

10,28% para grandes consumidores (alta tensão/indústrias de médio e grande porte).

Os estudos do Dieese apontam que é a 23ª revisão tarifária de energia no Pará desde a privatização, quando a empresa já tinha tarifas plenamente recompostas.

Trajetória de reajustes na tarifa de energia elétrica das residências no Pará, desde a privatização da Celpa/Equatorial em 1998

Período Reajuste anual

2021 8,02%

2020 2,97%

2019 1,74%

2018 11,78%

2017 5,86%

2016 7,61%

2015 6,30%

2015 3,60% (reajuste extraordinário)

2014 34,34%

2013 11,52%

2012 7,49%

2010 11,89%

2009 3,52%

2008 19,23%

2007 13,06%

2006 1,74%

2005 4,83%

2004 4,34%

2003 26,38%

2002 14,23%

2001 27,48%

2000 16,11%

1999 10,60%

Total acumulado 720,95%

Fonte: Dieese/PA

Nos montantes levantados não estão incluídos aumentos mensais causados pelo regime de bandeiras, em vigor desde janeiro de 2015.

O Dieese aponta, ainda, que os impactos no bolso dos consumidores são bem maiores devido à elevação das alíquotas de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) em janeiro de 2007; reajustes para cobrir prejuízos com o apagão em 2002 e mais ajustes anuais do seguro apagão, até 2005 e o regime das bandeiras.

A Equatorial dá dicas para economia de energia:

Geladeira – Deve-se evitar abrir e fechar a todo instante e não guardar alimentos quentes em seu interior. É importante observar periodicamente a borracha de vedação que, quando ressecada, causa grande desperdício de energia.

Ar condicionado – Nos casos de aparelhos que ficam ligados por longos períodos, é importante que contenham a tecnologia inverter. Este sistema oferece maior eficiência, com o ajuste do compressor conforme a necessidade. No caso dos aparelhos comuns, a recomendação é colocar a temperatura no 23º e programar para desligar, pelo menos 30 minutos, antes do horário de levantar.

Iluminação da casa – Evite ligar as lâmpadas durante o dia. Dê preferência as de LED que são mais econômicas, além de durar cerca de 15 vezes mais que as fluorescentes.

Televisão – Desligue o aparelho quando ninguém estiver assistindo e evite dormir com a TV ligada, programando para desligar automaticamente.

Ferro elétrico – A dica é acumular uma grande quantidade para passar de uma vez só e utilizar o equipamento com a temperatura indicada para cada tipo de tecido.

Lavadora de roupas – Acumular uma grande quantidade de roupas para lavar de uma vez só é o ideal. Não esqueça de utilizar a capacidade máxima.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.