Dólar comercial R$ 5,61 1.659%
Euro R$ 6,77 +0.77%
Peso Argentino R$ 0,06 +1.57%
Bitcoin R$ 282.971,57 +2.075%
Bovespa 110.035,17 pontos -1.98%
Economia Auxílio Emergencial

De onde o governo vai tirar dinheiro para pagar novo auxílio emergencial?

Especialistas alertam que pagamento do auxílio sem nenhuma medida de compensação deve provocar efeitos negativos sobre a economia.

19/02/2021 14h07 Atualizada há 1 semana
Por: RB1Notícias Fonte: Uol
Especialistas alertam que o auxílio precisa vir com responsabilidade caso contrário, a conta pode vir no futuro. | Reprodução
Especialistas alertam que o auxílio precisa vir com responsabilidade caso contrário, a conta pode vir no futuro. | Reprodução

O Brasil passa por um momento conturbado no que diz respeito a minimizar os problemas causados pela pandemia do novo coronavírus. Um novo auxílio emergencial está previsto, mas a dúvida é como o governo vai pagar por isso. Ainda faltam definir os detalhes, mas pelo que foi anunciado até o momento, o novo auxílio deve ser viabilizado por meio de uma "cláusula de calamidade".

No entanto, a medida deve suspender as regras de gastos do governo, que deseja que o benefício seja destinado a menos pessoas e um valor menor, entre R$ 200 a R$ 250. 

Segundo dados do painel de monitoramento do Tesouro Nacional para os gastos da Covid-19, a conta ficaria em algo como R$ 30 bilhões - bem menos do que os R$ 293 bilhões repassados em 2020. 

Segundo o ministro da Economia, Paulo Guedes, a medida viria com compensações financeiras. Até agora, a principal ação de corte de despesas mencionada pelo ministro foi o congelamento do salário de servidores públicos.

A ideia é de que os mecanismos sejam incluídos nas Propostas de Emenda à Constituição (PECs) Emergencial e do Pacto Federativo, que tramitam no Congresso desde 2019. A expectativa é de que os dois textos sejam unificados e votados na semana que vem, mas até agora não há nada formalizado.

CONTA VIRÁ NO FUTURO

Os especialistas alertam que o auxílio precisa vir com responsabilidade e que ainda não há uma clareza sobre as compensações no Orçamento para o pagamento do benefício. 

Para o pesquisador associado do Insper, Marcos Mendes, a nova suspensão das regras de gastos do governo deve ser feita com cautela, para que outras despesas não sejam incluídas no pacote.

Mendes destaca que o ideal seria que "essa PEC coloque freios e que já preveja mecanismos de aumento de receitas e redução de outras despesas".

á Felipe Salto, diretor-executivo da Instituição Fiscal Independente (IFI), ressalta que "falta um plano fiscal de médio prazo" para o governo. Ele frisa que a pandemia, seguida de um segunda ainda mais grave, justifica o gasto com o novo auxílio, mas que " responsabilidade fiscal [equilíbrio entre receita/despesa] precisa ser preservada".

Segundo Matheus Rosa, pesquisador da área de Economia Aplicada do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), ligado à Fundação Getúlio Vargas (FGV), uma nova suspensão das regras de gastos, por meio da cláusula de calamidade, é a saída "mais fácil" para o governo.

No entanto, Rosa ressalta que a medida não virá sem consequências. O pesquisador explica que as "regras fiscais existem para garantir uma previsibilidade das contas públicas no horizonte próximo. Com a suspensão, a responsabilidade fiscal pode ser comprometida a longo prazo, e isso também teria impacto na vida das pessoas, como um possível aumento da inflação".

O  pesquisador associado do Insper, enfatiza que o pagamento do auxílio sem nenhuma medida de compensação deve provocar efeitos negativos sobre a economia, "como a piora das perspectivas do mercado, aumento do dólar e da inflação. Isso prejudica o crescimento neste e nos próximos anos".

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Santarém - PA
Atualizado às 00h44 - Fonte: Climatempo
27°
Nuvens esparsas

Mín. 23° Máx. 32°

30° Sensação
20 km/h Vento
84% Umidade do ar
90% (15mm) Chance de chuva
Amanhã (28/02)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 22° Máx. 31°

Sol com muitas nuvens e chuva
Segunda (01/03)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 23° Máx. 29°

Sol com muitas nuvens e chuva