Dólar comercial R$ 5,66 -0.108%
Euro R$ 6,77 -0.86%
Peso Argentino R$ 0,06 -0.19%
Bitcoin R$ 284.874,66 -1.793%
Bovespa 112.690,17 pontos +1.35%
Economia Custo de Vida

Belém do Pará é uma das cidades com o custo de vida mais caro do Brasil

De acordo com análise do site, em um ranking das capitais mais caras do país, Belém ocupa a quarta posição, ficando atrás apenas de Florianópolis – SC, Porto Alegre – RS e Rio de Janeiro – RJ. Já no ranking das cidades mais caras, a capital paraense fica na sétima posição com um dos custos de vida mais altos do Brasil.

12/12/2020 12h18
Por: RB1Notícias Fonte: ROMA NEWS
Reprodução
Reprodução

Belém do Pará é uma das cidades mais caras para viver no Brasil, segundo um levantamento feito pelo site “Custo de Vida”. A plataforma mostra o custo de vida das cidades de acordo com informações disponibilizadas pelos próprios moradores. São analisados os preços da alimentação, transporte, lazer, saúde, moradia e outros.

De acordo com análise do site, em um ranking das capitais mais caras do país, Belém ocupa a quarta posição, ficando atrás apenas de  Florianópolis – SC, Porto Alegre – RS e Rio de Janeiro – RJ. Já no ranking das cidades mais caras, a capital paraense fica na sétima posição com um dos custos de vida mais altos do Brasil.

As posições nos rankings mostram como produtos básicos como alimentação, gás de cozinha e energia elétrica pesam e muito no bolso do belenense. A alimentação, por exemplo, é uma das mais caras do país. Somente no mês de novembro o preço da cesta básica aumentou pelo quarto mês consecutivo, com reajuste de quase 4%, custando R $486,50, comprometendo 50,33% do atual salário mínimo de R $1.045, segundo o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômico (DIEESE/PA).

Alimentação – Segundo as pesquisas divulgadas semanalmente pelo DIEESE/PA, para montar uma refeição básica com arroz, feijão, frango e saladas, o belenense está pagando 100% mais caro em 2020, já que todos esses produtos apresentaram aumentos, muitos deles acima da inflação. O feijão, por exemplo, apresentou uma alta acumulada no preço que alcançou 61,58% contra uma inflação de 4,77% (INPC/IBGE). Já o aumento do arroz foi de 6,28%. O frango apresentou uma alta de 21% e as hortaliças têm aumentos que variam de um a 35,50%.

Entre as hortaliças que mais apresentaram altas estão: repolho com reajuste de 35,50%, batata com alta de 27,72%, beterraba com alta de 18,58%, batata doce rosa com alta de 16,85%, batata doce branca com alta de 9,01% e cenoura kg com alta de 5,63%. Além disso, as frutas também apresentaram um aumento de 3%.

E não tem para onde correr, já que a carne e o pescado também estão mais caros. De acordo com o DIEESE/PA, a carne bovina está cerca de 6,01% mais cara, já o pescado apresentou um aumento de 8,54%. Os aumentos não param por aí. Até para tomar um cafézinho tem que pagar mais caro, já que o aumento do produto foi de 5,58% e o açúcar com aumento de 13,27%.

Gás de cozinha – No início do mês de dezembro a Petrobrás aprovou um aumento de 5% no preço do botijão de gás de cozinha. Esse foi o nono aumento no preço do botijão somente este ano, com reajuste acumulado de quase 22%, o que faz com que paraense pague um dos botijões mais caros do país.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Santarém - PA
Atualizado às 04h17 - Fonte: Climatempo
25°
Nuvens esparsas

Mín. 23° Máx. 31°

25° Sensação
7 km/h Vento
94% Umidade do ar
67% (10mm) Chance de chuva
Amanhã (06/03)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 22° Máx. 30°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Domingo (07/03)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 23° Máx. 30°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.